Cavidade

agosto 26, 2012

Eu juro que já não sei mais
e que não tenho o que fazer:
Tenho a Paixão que dói de dia
e que anoite não traz prazer.

É um gosto guardado na boca,
De saliva, não de mel.
É um toque e um cheiro sensível,
Não divino, não de céu.

É doença que não tem cura.
É saudade que não se mata.
Não é questão de ser pura,
nem por razão de ser rara.

O que acontece, é a vida.
E sua espontânea vontade.
Do coração dado, ficou a ferida
e por dentro, só cavidade.

Anúncios

Janela do carro aberta

agosto 24, 2012

Pode estar chovendo,
não importa.
O vento bate e de parte da água, me proteje, a porta.
Não importam os chuviscos;
tem hora que até agrada.
Para poder secar o corpo, tempo.
Para poder tocar a chuva, palma.

Que venha a tormenta dos céus,
que encharque e inunde o mundo.
sentir a chuva é vida
e não sentir é túmulo.

Involuntário

agosto 19, 2012

Viver, meu caro amigo,
é ato involuntário.
Nascer é pura sorte
morrer, mero acaso.
Viver, meu caro amigo,
é ato involuntário.

Comer é necessário,
a fome causa dor.
A dor é involuntária
e a comida faz cocô.
Viver, meu caro amigo
é querer parar a dor.

Viver, meu caro amigo,
é ato involuntário.
Nascer é pura sorte
morrer, mero acaso.
Viver, meu caro amigo,
é ato involuntário.

O ar não é culpado,
nem o ar, nem o pulmão.
Até desmaiado se respira
e dormindo bate o coração.
Viver , meu caro amigo
é escolha do pulmão.

Viver, meu caro amigo,
é ato involuntário.
Nascer é pura sorte
morrer, mero acaso.
Viver, meu caro amigo,
é ato involuntário.

Pensar é acidente,
falar é o que se faz.
Dormir é inconsciente
sonhar é ser capaz.
Viver, meu caro amigo
é fazer que se faz.

Viver, meu caro amigo,
é ato involuntário.
Nascer é pura sorte
morrer, mero acaso.
Viver, meu caro amigo,
é ato involuntário.

Azar

agosto 10, 2012

Me encanta a sorte
nos dias de azar
é tão bonita a sorte nos dias de azar.
Eu comemoro quando algo da certo
sem ser a sorte do azar.
Eu comemoro até cansar.
Eu não gosto do azar.

Tato

agosto 5, 2012

É porque eu te vi por nada…
E do nada, assim, me vi sem graça.
A saudade passa?
Quero te morder de leve, mas deixar marca.

Te encontrar assim no susto me deixa tonto
e tonto eu perco norte.
Matar saudade é sorte?
Quero te puxar o corpo e te arrancar o short.

No inesperado, o roteiro é mais que arte.
A vida parece improvisação de teatro…
A saudade é qual ato?
Quero te inventar o amor no tato.

Agosto

agosto 3, 2012

Que venha agosto
como veio julho.
Que venham todas as semanas do mês.
Eu não temo, é só tempo e nome.
Que venha o ano e que passem anos.
Que eu esqueça de qualquer outono.
Que venha a mim o mundo e a eternidade
assim como para um vira-lata vem seu o dono.