Loucura de fim de ano

dezembro 31, 2008

Chuá! – Pula –

Chuá! – Pula –

Chuá! – Pula –

Chuá! – Pula –

Chuá! – Pula –

Chuá! – Pula –

Chuá! – Pula –

Agora sim

depois de setes puladas

você terá dinheiro

felicidade o ano inteiro

uma nova namorada

um novo emprego

e paz no mundo.

ha-ha.

Pluma

dezembro 26, 2008

vento bate forte ou leve

ambos servem

para levantar a pluma

pluma sutil, transparente

difícil de ver.

 

difícil de adivinhar seu destino

-que estranho esse caminho

escolhido pela pluma.-

 

tem nela escrito um desejo

e um chamado

entrelaçado por entre verbos

para que quando compreendida

possa dar a partida

a uma sensação.

 

na pluma estava escrito:

te quero, Sábe, te quero de verdade.

bla

dezembro 23, 2008

O tanto que cabe ao ser sozinho

é o mesmo que cabe em um pote vazio

o mesmo que cabe no infinito

no tudo que cabe no nada que é, mas não é.

O ser sozinho é, mas não é.

Os homens

dezembro 23, 2008

Querida,
eles querem acabar com o nosso lar
sanguinários, homens loucos, transeuntes
perdidos como bestas
tentando e tentando acabar com nosso lar

Prefiro evitar que aconteça qualquer briga sangrenta
qualquer missa redenta
qualquer forma de perdão.

Prefiro evitar que algo aconteça
do que perder a cabeça
de partir algum coração
meu, seu ou de um outro
de perder minha direção.

Quero guardar a nossa vida
nosso rumo, nossa família
deste louco mundo cão
que tenta com todas as armas
invadir, destruir e transformar
tudo aquilo que montamos
e chamamos de nosso lar.

Dentista

dezembro 23, 2008

-Doutora acho que estou com uma cárie…

-Que nada menino pode ficar calmo!
Uma carie só você não tem, seus dentes estão um estrago!
Farei um enxerto, um implante e um tratamento de canal
Um esmalte, um desconto e um novo plano dental.

Duas semanas

dezembro 23, 2008

Não vá dizer que não terezinha
hoje eu vou viajar!
vou sair pelas terras do norte
me peder e me achar!
não vá dizer que não
pois não há não no mundo que me prenderá!
Terezinha, preciso ir para longe
preciso sair deste lugar
posso até ir para um longe-perto
mas aqui não posso estar
preciso encontrar o mundo
para o mundo me encontrar
sairei pela manhã
não espere eu voltar
espere só pela vida
fazendo a vida mudar.

O Menino Apaixonado

dezembro 18, 2008

O menino apaixonado
vive pensando nela
tão bela
eu a amo, mas não sei se ela gosta de mim
pode me chamar de chato
mas meu coração não aceita
para mim ela é a bela
ou a fera…
afinal, quem é ela?

As cartas não aceita
os presentes estão no lixo
e as atenções desprezadas
mas no fundo no fundo
ela diz:
Muito obrigada!

(Escrito em 1997 para um recital de poesia)

Thiago Apaixonado

dezembro 18, 2008

Thiago,
soube que você anda apaixonado
por ai sorrindo…
Qual mal te subiu a cabeça pra voltar a estar assim?

Nem te conto colega!
Certas histórias são melhores
quando não são descobertas.

Thiago,
Entre nós não há segredo!
Sei que andas mais sereno
mas te vejo com ninguém
como pode estar “in love”
se te falta o outro alguém?

A curiosidade não mata o homem contido!

Deixe de requintes, rapaz!
Fale logo!
De quem você aprendeu a gostar?

De mim.

Ahhh.

Para por um ponto

dezembro 18, 2008

Não foi por mal eu sei
não posso amar por ti
meu desejo te profana
se te quero ……….

Há Alguém
que te adora
que te faz bem.

Esse Alguém
já te namora
e me deixa de fora olhando.

O pigarro do fumante passivo

dezembro 17, 2008

Tosse, tosse, tosse
arranha a garganta
tosse, tosse, cospe.

Uma vida inteira sem um cigarro para isso:
Amigos e mais amigos fumantes

A mulher tentou solucionar:

-Encontrem-se em lugar aberto!

-Tosse, tosse, cospe.

-É a única maneira de acabar com esse pigarro!

***

Chegando à praça, choveu.

-Vamos para um lugar melhor.

Foram para o bar.

Tosse, tosse, tosse
arranha a garganta
tosse, tosse, cospe.

(inspirado no Pneumotórax de Manuel Bandeira)

A dor pelo prazer

dezembro 17, 2008

É bom tocar violão
Principalmente músicas inteiras
mas antes do primeiro acorde bem feito
é preciso ter calejado o dedo.

Claro como algo muito claro.

dezembro 13, 2008

Juliana,
cara a cara, até tenho coragem
mas não tenho a forma certa
para estimular sua vontade.

Quem sabe com esse poema
com você em sua casa
com pijamas e descalça
lendo-o quase escondida
não pode ser coagida
a querer gostar de mim…

Queria ao menos uma curiosidade sua
capaz de nos dar breves momentos
capazes de nos dar intimidades
que permitam o reconhecimento
por teste de fogo, da carne
de beijos leves e carinhos ternos.

Juliana,
nome distante…
Ecoa pela minha mente.
Quem dera você mudar de idéia
e vir correndo para minha frente.

O poeta.

dezembro 13, 2008

A solidão faz o poeta.
Cabe ao poeta falar sobre o que sonha
o que não tem
o que deseja.

Não ter o que quer
é essencial.
Pode não ser impossível esse querer
mas não alcançar
é essencial.
Sonhar é bom
não conseguir
é essencial.

Ser poeta é se assumir como fracasso
e aos outros, passar o que são sonhos
para que estes, sim
leigos de escrever poemas
ou de palavras verdadeiramente belas
possam viver aquilo
que o poeta é incapaz.

Venha

dezembro 13, 2008

Qual é o seu medo?
Sua desculpa, conheço, é o sono.
Mas sono nenhum jamais barrou uma vontade.
Vontades vão além!

Então venha!
Por que se segurar?
Qual é o seu medo?
venha logo!
Venha no relento
no rebento
venha agora
neste momento.

O talvez, outra vez, amanhã
são eternos
são corrosivos
destrutivos
deixar a vontade esperando
é uma tortura.

Então venha!
Venha logo!
Prometo um bom café da manhã
uma massagem, um beijo de boa noite e bom dia.
Venha!
Não me deixe esperando pra sempre.

Um jovem atropelado
gritava por socorro, por qualquer socorro
coitado.
O poeta atravessando a rua
se dispôs a ajudar-lo.

O jovem exclamava, arfava e suplicava
por uma ambulância, um remédio, sua mãe
o poeta embebecido pela cena
ajudava como podia, como cabia a sua poetude
ele dizia:

-Grite meu irmão homem!
Sinta seu desespero
sinta agora o apego por amigos, inimigos e afins
veja o seu sangue
os fragmentos dos seus ossos
a vida escapando pelos segundos
esse asfalto.

O Jovem atropelado esbabacido
não acreditava na loucura daquela situação
exclamava e arfava e suplicava
e nenhuma outra pessoa tentava o ajudar
nenhum outro cidadão
só restava o poeta
que com um caderno e uma caneta
pedia uma descrição:

– Me diga! Eu preciso saber!
Como se sente estar vivo antes de morrer?
Dê-me detalhes, os mais frios e íntimos
fale das dores, dos anseios…
Fale alguma coisa, homem!
Narre sua viagem!

O Jovem, já indignado
e irritado
tirou forças não se sabe da onde
levantou do asfalto
empurrou o poeta
pegou um taxi
e foi para o hospital.
Restou ao poeta imaginar sua morte.

Infortunio

dezembro 8, 2008

Carvão

Acabou a tinta da caneta tinteira
fui para o computador
acabou a eletricidade
peguei o apontador
o lápis estava todo quebrado
peguei o carvão
cade o papel?!
Ahhh! Vou escrever na parede mesmo.

O homem come, todos comem.
Ele é igual pelo ato de comer
mas o que come e como come
é o que traz as diferenças à mesa
tem homem que arrota por gentileza.
come com a mão
com pimenta ou não
vaca ou alga
ou peixe ou larva
mas come por igual.

O homem luta igual de formas diferentes
o homem mente igual de formas diferentes

Todo homem morre igual
todo homem vive igual
mas como vive
e como morre
é que faz a diferença.

Sim, o título é um exagero
porém não esconde sua pertinência
a paciência desse homem é doentia
além de sua consciência.

É paciência de ver casal dizendo eu te amo
de responder mil vezes  “já esta chegando.”
Paciência mais santa do que de santo
e de aguardar quem não deve chegar…

Não se deve subestimar quem já leu dicionário
Aurélio e Houaiss, mais de uma vez
e também o manual da impressora.
Essa façanha é pra poucos
santa paciência dessa pessoa.

Demorou quase um ano para nascer
pra morrer pelo visto também vai demorar um bocado
sempre muito educado
espera sentado uma dama aparecer.

O supra-sumu das filas mais longas
de bancos, supermercados e parques temáticos
espera com um sorriso estampado
enquanto os outros, descabelados.

“Homem louco!”  muitos dizem
pois ele é mal interpretado
enquanto o mundo esta com pressa
ele pergunta “por que da pressa, coitado?”

insônia

dezembro 5, 2008

Não sei se é pela falta de sono

ou pelo excesso de cafeína.

Minha mulher será um máximo
imagino eu e ela indo fazer compras no supermercado.
Ela reclamando do coentro
eu do arroz integral
pensado no almoço de família dominical…

Conversar se é hora de termos uma criança
lembrar com ela de nossa infância
ter uma preguiça de lavar a louça
lavar todas com ela
deitar-me ao lado dela.

Acordar e ver sua cara amassada
vê-la reclamar de meu ronco
ou de alguma ex-namorada
sentir o seu bafo matinal
e não gostar nem um pouco.

Tomar um café da manhã prático
torrada, manteiga, presunto
sair correndo para o trabalho
e sempre sair junto.

Ah! chegar cansado em casa…
Reclamar de qualquer besteira
comer o resto de comida na geladeira
assistir um pouco de TV
como é bom essa vida com você!

Você pode reclamar da pança
e eu das pernas a serem raspadas
mas no fim do dia, completamente exausto
dormirei ao seu lado contente
sentindo o que o mundo não sente e não entende
o amor de viver ao lado de uma mulher.

Era para correr e eu corri.

dezembro 3, 2008

Tropecei porque corri

porque me atrasei

porque quis tomar um banho

porque queria estar cheiroso

porque eu fedia.

Trident Freshmint

dezembro 2, 2008

Seu gosto, sua saliva, sua baba
tinha gosto de trident azul claro
depois do beijo, depois do silêncio, depois de tudo terminado
o gosto ficou em cada chiclete mascado
e você foi para a vida.

Morri de horrores no dia em que descobri
que o seu sabor tinha mudado
minhas saudades matadas estavam ultrapassadas!
Seu gosto passou a ser melancia
Como pude não ser avisado?!
eu que mascava com tanto gosto
o que passou a ser agora o chiclete errado…

Tédio
téédio
té té tédio

nada para fazer
um mundo para salvar
uma preguiiiiça
raiva e amor pelo sofá.

idéia!
café!
beber muito café
muito mesmo
muito muito mesmo

ou passarei mal
ou sairei desse fatídico marasmático irritante normal

Infortúnio

dezembro 1, 2008

Pelos

Como gosto das pernas depiladas!
Não por machismo, mas por cultura.
E tive a áspera desventura
de sentar ao lado de algumas damas
com suas pernas peludas.

Lactose Intolerante

dezembro 1, 2008

Sendo humano
tecendo uma lógica
vestindo uma cultura
pensando um tempo
adaptando a realidade humana
sendo humano.

E eu que era mamífero…