Palavrões

maio 28, 2009

Não devia ter te mandado flores
só eu sei (e uma outra multidão) dos horrores
de ser posto de lado
com palavras doces, de mulheres doces
sonoros foda-ses
em tons calados
“que vais tarde para a casa do caralho”
de valor incrementado
seguido por uma virgula e uma afirmação: Viado
e outras coisas mais…

Não devia ter te mandado flores
e tão pouco ter te ligado
é tão injusto quando se escuta
que és um filho da puta…
que não mereces (nem mesmo) um trocado furado.

Mas olha quem está falando!
Você, mulher pura durante o dia
mas que a noite, pela noite
todos sabem que eis uma… (não devo falar)
vadia.
solta, dada, (não deveria dizer) arrombada
que não quis aceitar flores
de um homem louco…
(Solitário, perdido e aflito)
… Louco para dividir amores
só amores…

Anúncios

De costas

maio 26, 2009

Eu sento de costas para a porta
não tenho muito a quem temer
já temo demais o mundo
tanto medo que não sei mais o que temo
Por isso fico de costas pra porta
e ando sempre distraído
os males a todos se passa
para mim não há um perigo
então sento de costas para a porta
e fico eterno e tranquilo
vidro meus olhos no que como
e como com um belo sorriso

Mesa para um

maio 24, 2009

O problema não é estar sozinho agora
é estar sozinho sempre
e sempre estar sozinho sempre
e sempre sozinho ser sempre um ser só sozinho.

O pior, nos intermédios dessa melancolia tosca, é comer.
Comer sozinho é quase um castigo
é um martírio
não tem fim.
Cada garfada
cada mastigada
está vazia e não tem fim.

Pior de tudo é no domingo
famílias, tios, tias e primos
todos sorrindo e sorrindo
em uma mesa longa de um restaurante…
Ou até somente pequenos casais
jovens amantes ou uns ancestrais
dividindo um almoço informal
que não sabem quanto é triste e me faz mal
ver-los comendo e discutindo algo tão simples.

Garçom, mesa para um! Eu digo
sento no canto, me abrigo
e como e como e vejo
que o resto do dia
será tão sozinho
e será vazio
tão vazio
que não acaba.

Basta beber, basta.

maio 22, 2009

Se tem gente, está lá
e se não gostar, azar!
Basta beber, basta.
Se a música for ruim?
Se tiver muito cheio?
se tiver um mal cheiro?
Basta beber, basta.
Se aquela garota estiver acompanhada?
Se alguém te confundiu com a pessoa errada?
Se tem metade da festa tentando te meter porrada?
Se você ainda tem coragem de ficar mais um pouco e fazer nada?
Basta beber, basta.
Se não tiver o que comer?
se os amigos te deixaram sozinho nessa furada?
E se a cerveja não estiver gelada?
E se você descobrir que a cerveja é cara?
A cerveja é cara?!
Aí você volta pra casa, aí você volta pra casa!

Vergonha?! Que nada!

maio 21, 2009

Vergonha?! Eu? Dos meus poemas?
Que nada!
Não tenho porquê…
Pois quando você os lê
não vê as minhas ânsias nem meus anseios
muito menos meus medos
menos ainda meus desejos
e muito menos ainda minhas inseguranças e segredos…
Na verdade, na verdade,
você lê os seus segredos.

Você lê você
eu só sou o meio.

Você esquece

maio 20, 2009

Eu já deixei a porta aberta
e disse pra que você viesse
mas acho que você esquece…

Já te lembrei das minhas saudades
o tanto quanto eu pudesse
mas acho que você esquece…

Já falei que eu te esperaria
que você viesse quando desse
mas acho que você esquece…

Sopa Pronta

maio 20, 2009

Passei uns dias tomando sopa pronta
três semanas, para ser exato.
Três semanas! Ó, tortura!
Sem comer nenhum outro prato…

Devo confessar uma certa preguiça
e um pouco de sadismo
pois a geladeira estava quebrada
e eu não a consertei por falta de juízo.

Devo confessar mais um pequeno detalhe
na verdade comi fora como felizardo
e evitei por três semanas
a fila do supermercado!

Mas enfim terei geladeira de novo
e supermercado a cada domingo
almoço fora só em dia santo
e sopa pronta só em dia de frio.

Simplefique, Anna!

maio 18, 2009

Nada faz sentido enquanto acontece
mas tudo acontece…
Simplifique
das opções, essa talvez seja a melhor
pensar em tudo, saber de tudo, não da; É impossível!
E se você anda tentando isso, jovem,
saiba, controlando tudo perde-se o imprevisível…

Vou te ensinar um segredo sobre o destino
ele só existe depois do acaso ter acontecido.
Assim pode-se dar sentido
a tudo que aconteceu.
Mas antes de acontecer…
desculpe-me;
Isso não se prevê.

Nada faz sentido enquanto acontece
mas tudo acontece
e depois que acontece, faz  sentido…

Feito com a parceria de Anna Düppre

Um dos mil incabados

maio 18, 2009

De todos os amores que já passaram pela minha vida
pouco é o que restou;
O resto é um gesto, é o jeito…

É o que não se fala
que se sente,
que é bonito.
É o amor que se sonha
que perfura
e a gente finge que não sente.

É o medo de mostrar demais
de perder a beleza
de amar sem dividir.
É o que deixou a boca seca
que deu saudade
que deu conforto…

Daquilo que existiu no encontro
desses dois corpos que sabiam o que era só amor.
E nada mais.

Feito com a parceria de  Priscilla Carvalho

Que Urucubaca que nada!
Ô menina danada…
Seu problema é que você não está propriamente acompanhada!
E sabe de uma coisa?!
Eu me candidato a essa posição.
Tens duas opções:
Ou sim ou não não.

Massa pronta.

maio 15, 2009

Bela, muito bela
juventude terna
juventude boba
juventude tosca
eu, e minha juventude.
Eu e a poetude de uma juventude de massa.
Massa.

Minha juventude desce redonda
ela nem parece banco
ela ama muito tudo isso
Minha juventude não tem fronteiras!

Minha juventude virtual
tão confusa
tão ciente
é cliente de tanta informação.
Pois a melhor forma de castração
é ilimitar a opção.

Minha juventude é bela!
Nenhuma outra foi tão bela
em estética.
Bundinhas tão saradas
tantas mini saias
e braços tão malhados!
Cabelos tão pintados…

Juventude livre
tutti-frutti
icônica
ateísta
apolítica
em boates tão lotadas
ao ponto de não haver espaço para dançar
em lapas tão lotadas
em sambas tão lotados
em bailes tão lotados
em salas tão lotadas
Juventude aglomerada
Juventude de massa.
Massa.

Meu “S” Quebrou

maio 13, 2009

Çábado a noite çaí com uma menina cençacional
tomamoz um pouco de cerveja
fomoz ver um filme
fizemoz um pouco de amor.

Domingo foi maiz relax
paceamoz no parque
dei para ela um çorvete
ela ce lambuzou toda
eztava muito calor.

Cegunda levei ela em caza
fui eztudar depoiz
e o rezto do dia foi acim
meio monótono, meio com çono…

Terça, quarta e quinta
foram bem cem çal
fiz uma prova de fízica
e outra de portuguêz çobre conçoantez.

Cexta eu fui para um bar
e convenci todoz meuz amigoz
que a letra “s” por excelência
é completamente dezprezível.

Cigarro

maio 12, 2009

Tudo ficou ofuscado com a fumaça do cigarro
não qualquer cigarro, claro
a fumaça do seu cigarro.
Não foi ele quem me conduziu
quem me encantou
quem me deixou assim, tão fútil.
Para dizer a verdade quem me deixou a vontade
foram seus atos protagonizados por vários maços
e também alguns olhares mascarados.
Engraçado, eu não me importo com cigarros
e mal gosto de estar perto de um, quando fumado
mas quando você o fuma
e se faz tão relaxada
te fito com um desejo proibido e escondido
ouço-te falar do namorado, desgraçado,
imagino um término inesperado
te vejo fumando outro cigarro
e mergulho no fogo, na boca, no trago e na fumaça.
Em um ato de quem muito espera
peço-lhe um trago, apenas um, do seu cigarro
fumo-o com um sorriso de quimera.
Ninguém faz ideia
ou apenas duvido que tenham ideia
que naquele trago
está um beijo roubado.

Água – Consequência

maio 11, 2009

A chuva forte estragou com o asfalto
o asfalto estragado fez um grande engarrafamento
o homem do rádio avisou do engarrafamento
sabendo que não chegaria, o homem que ouviu o rádio não saiu
o homem que não saiu, ficou em casa
e aproveitou um belo dia de sol
que veio depois da tempestade
que estragou com o asfalto
que causou o engarrafamento
que o deixou em casa
aproveitando o belo dia de sol.

Água – Infância

maio 11, 2009

Quando eu era pequeno, gostava muito de piscinas
e com um medo tremendo da água
(com razão)
minha mãe provia-me de bóias
para que eu boiasse na água
e para que a agua não me levasse embora
para o mundo do submundo aquático que era tão encantador.
nessa época, eu não sabia ainda
que de baixo da água
não se respira.

Água – Domínio

maio 11, 2009

Meu barco flutua na água
eu mergulho do barco na água
a água me abraça e me agarra
me lambe me chupa me baba
e devolve-me ao ar de acordo com minhas braçadas
para que eu volte ao barco
para que eu volte à casa.

Água – Gradação

maio 11, 2009

Água!
Lava.
Água!
Enxágua.
Água!
Encharca.
Água!
Afoga
Água!

Água – O Som

maio 11, 2009

Fonte de vida
sonho de mar
lá vem a maré.
(uma explosão de gotas)
som da arrebentação.

Sono lento
Na chuva o pingo mais grosso que bate no chão
é quase um surdo ou um bumbo
A chuva se sabe percussão
e soa.

Água – Excesso

maio 11, 2009

Irônico, talvez
como o excesso
em todos os casos
destrói.
Sendo a água tão querida
e a chuva tão esperada
quando a precipitação não para
alaga
e destrói
e desmata
e mata.
A água amada mata
e nunca pede perdão.

Água – Chuva

maio 11, 2009

Tão querida
tão amada
estimada água.

Chuva cai
chuva molha
a chuva molha a moça.

O meu destino mandou dizer que não
e eu não entendi direito
pelo visto ele quer um caminho pra mim
mas não gosta de discutir a respeito.

Eu digo:
Ô destino! Me deixe!
Deixe eu fazer meu próprio caminho
descanse e beba um gole d´água
Quero me aventurar sozinho!
Queria tanto conhecer o acaso
viver sem rumo
viver tranquilo
por que não me deixa em paz?

Ele responde:
Meu rapaz, quem manda aqui sou eu
e eu já te ajudei bastante nessa vida.
Ou você não percebeu por incompetência
ou por falta de aviso.
Pois sou seu melhor amigo
e o caminho sem saída.

É tão bom acreditar em mentiras…
Mesmo sabendo que elas são mentiras…
É tão bom!
Ainda mais quando se está tão desolado.
Por mais que seja inevitável sofrer
ao menos tento sofrer por outros motivos…
Qualquer outro motivo além de não ter você.

Você tem a pele que não toco
a boca que não beijo
o sorriso que não faço
a porta que não abro
o choro que não seco
com você eu tenho nada.

Não sei te fazer apaixonada.

Eu gosto de mentir pra mim
e assim criar belos jantares
e passeios pela cidade
e sonhos tão maravilhosos e esplendorosos e tão longos e tão breves…
Sonho em te acompanhar!
Sabe de uma coisa?! Eu te acompanho!
Ah! Minha jovem admirada…
Eu te acompanho!
Te acompanho com os olhos
e mais nada.

Passagens

maio 4, 2009

Na vida, pude perceber que entre todos que conheci

uns foram

uns ficaram

outros voltaram.

Incerta certeza

maio 2, 2009

Dezenas de centenas de milhares de milhões de coisas
ao longo de toda história da existência
antes de qualquer outra coisa
(conhecida ou não)
Existia.

Mas ai chega um chato e diz:
Quem pode provar?
E eu respondo:
“para aquele que provar que eu estou mentindo
eu tiro o meu chapéu”