Tempestade

julho 30, 2009

Hoje foi dia de chuva
não por causa da água
não por causa do tempo
foi por causa de um certo frio
fruto de um desalento.

O que tem na tormenta?
Cansaço e aquela preguiça ruim
misturados com dúvida de que possa existir algo sério na vida
fora a vida em si.

O que tem no tormento?
Uma tempestade.

É só por hoje

julho 24, 2009

Soube que seu dia valeu pela semana
que seu chefe é uma anta
e que você é uma santa.

Por isso fiz uma surpresa!

Arrumei a casa e pus a mesa
fiz seu prato favorito
primeiro uma Salada Veneza
com pedaços de palmito
depois uma porção de calabresa
flambada no maçarico
acebolada
temperada
acompanhada por um fettuccine
um molho a La ‘Divini’
velas
vinhos
e se você soltar um sorriso
ou sorrisinho
prometo que ainda hoje
farei aquela massagem
terminarei com carinho
e fá-los-ei até você dormir…

Mas não acostuma, hein!
É só por hoje.

Tropeço

julho 20, 2009

Quanto mais intensa a vida se faz
mais da vida se anseia.
Para cada passo dado em falso
enquanto um pé te desvia
o outro pé te norteia.
É disso que a vida é feita.
É disso que a vida é feita.

A gente vive
e isso é tudo.
Como não viver no absurdo?
Tem gente que faz do mundo algo banal…
(o cotidiano faz parte desse mal)
Mas não!
O mundo é tudo que não faz sentido!
É toda possível interpretação!
É ver que não existe um único abrigo
é onde exsite o vivo
é muito
é tudo
e tão.

Acordar antes da hora

julho 16, 2009

Assim que o dia chegar
me acorde.
Mesmo estando frio
mesmo sendo cedo
mesmo neste domingo
me acorde sorrindo.
Quero te ver sorrir com preguiça
e descabelada
e desarrumada
até quem sabe, um pouco emburrada.
Pois então
depois do sol subir
e depois de esquentar
a gente deita de novo
e dorme mais um pouco.

Como entregar-me a outro amor, Deus?
Se os outros que me destes definharam.
Talvez eu saiba que os erros foram meus,
mas as dores das perdas ainda ladram.

Pois em todo erro não perdoado,
guardado por ambas as partes em silêncio,
faz um ser de coração preocupado
viver perdido em um tosco anseio.

É preciso perdoar a si, primeiro
é preciso esquecer que houve erro
para poder um dia seguir em frente.

Em cada novo amor, um novo ente
e sempre algo puro e passageiro.
Na vida nada será  bom por inteiro.

Composição

julho 13, 2009

No meio das pernas
entre o ombro e a cabeça
por dentro da boca
nos laços de abraços
o suor do corpo
o sopro, o bafo
o cheiro.

Dedos curiosos
mãos insolentes
línguas e dentes
pele e pelo
Marte e Venus.

Partes compondo.

tem gente que gosta de chupar limão
tem gente que faz tudo do avesso
tem gente que se encontra num tropeço
tem gente que cai no chão.

Enquanto isso homens vivem como loucos em hospícios.

Velocidade

julho 10, 2009

Acordar cedo
e estar cedo.
Viver cedo,
acabar cedo;
É igual a estar apressado para ter calma.

Acordar tarde
e estar tarde.
Viver tarde,
acabar tarde;
é igual a estar com calma por estar atrasado.

Comedista piador

julho 7, 2009

Sabendo de segredos
mantive em sigilo
alguns comentários
que não pude falar.

A comédia é ácida.
A desgraça é fálica
A honra é o mundo
que deve-se atacar.

Benditos, malditos.
Loucos, cegos e eruditos
ratos, pulgas, prostitutas
gordas, velhos, tortos, sujos, soltos, largados, danados…

Não existe alma que não se pode judiar.

Falar da desgraça é a graça e a crítica
que mais faz rir
e que mais faz pensar.

Sabendo de segredos
não houve silêncio
o que foi dito, foi claro
e o mais engraçado
é que o acusado
foi quem mais riu.

Pois é sublime!

julho 7, 2009

Pois é sublime!
Estado de torpor sem semelhante,
sem paralelo.
É o grito de alegria da cor do amarelo
tão bom quanto trocar sapatos por chinelo
êxtase, com gosto de Amarula.
Tentar-se, na crença da fissura,
pois é jovem;
Integro e inteiro
vive passageiro
de bestas obsessões.

Pois é tão tosco!
Tantos delírios sem pé nem cabeça
tanta destreza no olhar do perigo
tanta magia nascida do vento, do nada, do não.
Viagens de ônibus
passagens em festas
estranhas conversas
a calma e a pressa!
Ah! Louca sensação de estar perdido,
e de ser achado
e de andar passado na madrugada ébria!
E calcular estrelas
e caminhar na lua
observar a rua
sorrir em companhia
doce alegria!
Ser jovem, ser vivo, ser vão.

Pois é tão sublime
e é tão banal.

O Café frio e a espera

julho 2, 2009

Enquanto meu café esfria
espero sentado, ninguém.
Fito a parede
mato a formiga
bebo um gole
espero ninguém.

Tanto faz se é pra janta
ou se para ir prum bar.
a espera ausenta o tempo
do seu tempo de passar.

E tudo demora.

Já faz uma hora
e um ano
e uma alma
que eu estou aqui
e tudo não tem graça.

O café já está frio,
ainda vou beber um gole.
Não há calma que suporte
o silêncio e a solidão.