Eu nunca ponho poemas repetidos no meu blog, mas este caso merece uma exceção. Depois de quase 4 meses na espera, foi anunciado em junho que meu poema “Desconheço” foi selecionado entre os ganhadores do Concurso Nacional de Poesias de Ponta Grossa.
A gente vê que a vida é isso. A gente vai fazendo tudo aos poucos… Quando vê já tem um bando de pouco pra mostrar. Legal é ver que o pouco pode ser algo bem grande.

Desconheço o mundo inteiro
e toda a humanidade.
Desconheço por inteiro,
muito mais que a metade.

Desconheço o que conheço
até nas intimidades.
Desconheço até o avesso
da minha sinceridade.

Desconheço fatos e feitos
amores e iniquidades.
Desconheço o que não se cria
nem o intrínseco, nem a verdade.

Desconheço não por medo
nem por pouca vontade.
Desconheço porque esqueço
ou porque é bobagem.

Destino é bobagem

julho 27, 2012

Pensar em destino é uma bobagem.
Não existe caminho trilhado,
rumo a ser seguido,
razão com fundo mágico…
A vida é ir como dá,
é remar quando não da pé,
é correr para se salvar.
Não quero ouvir mimimi de quem sonha acordado
nem nehnhenhe de quem foi desiludido.
Sonhar é o que se faz dormindo ou distraído.
Viver de fato é o ato
que se pode fazer para que depois de velho
se possa olhar para trás e ver que tudo foi algo.

Santiago

julho 3, 2012

Estranha, a plenitude de chegar depois de ir.
Voltar pra casa, agora me parece bom.
Deixar pra trás não é bem a palavra…
Segue comigo o que fiz, mesmo não sendo visível, cada etapa.
A vida é muito grande pra lembrar de muitos detalhes.
Bastam os detalhes que ai estão
Com a sensação de que algo foi feito.
Com o gostinho que foi algo bom.