Catarata

janeiro 26, 2009

Estava procurando um cigarro
achei só o cinzeiro
e guimbas de cigarros apagados.
Fedia.

O telefone toca
no caminho a ele uma mesinha
um esbarrão
pontada de dor
a desistência do telefone.

A janela ainda está clara
ainda é arejada
e lá está o cigarro.
Acendo.
A noite cai um pouco
e tentando muito
pude
quase com certeza
ver Marte a olho nu.

Poema inspirado no texto de Débora Saad – Quando Marte completa sua translação –

Anúncios

As old as I

janeiro 25, 2009

Dear, o dear Caroline!
What´s that nonsense about you leaving?
What wrong went with your thinking?
What happened to our living together?

Don´t forget dear
about our forever.
And don´t let those TV shows drive you crazy!
Life ain´t got no cuts
ain´t got no remakes
life is what you got.

So don´t you go talking about leaving
we´ll keep on moving foward
at our own pace.
Let the happenings be grace or disgrace.

Don´t stop being my wife
because of some fancy movie
don´t try pressing rewind
cause life will keep on moving
and don´t you go talking about age
cause you are as old as I
we´ll have our adventures still
just be calm to try one at a time.

Quem é que veio querendo?
Pedindo um afeto?
Dois beijinho e um terceiro para o casamento…
Uma mão aqui
Uma tara ali
Quem foi?

Quem que veio de coitada?
De sofrida?
Mal comida e mal amada…
Querendo um cara de alma salva
Querendo todo o carinho e afeto?
Quem foi?

Quem foi que pisou no coitado assim que outro apareceu?
Quem foi que se ferrou feio com o outro?
Quem foi que pediu perdão?

Então foda-se, porque você é uma escrota.

Desconfortável
sensação de angústias
impotência

Cachoeira
temporal em dia de frio
ausência de casaco

Quando eu for pescar
espero pegar um peixe bem grande
e que ele me carregue do barco com um puxão
e me leve pra longe de casa
para longe do barco
longe de tudo.

janeiro 19, 2009

Pegue as pernas crie uma asa e saia.
Saia por baixo, por cima – se liberte.
Acabe com as verdades
veja a não verdade verdadeira
corra e grite esperneie e mate.
Absurdo? Talvez…
Questionável? Sim, é…
Absurdamente palpável
delirável
e assustador em todos os sentidos.

Spread

janeiro 17, 2009

Se suada está cansada
salgada esta sua alma
salva ao suave soprar
das línguas dedos e babas
sugando e estremecendo
os centímetros feitos de ti
dando te o sentido básico, bom
de gemer-gemer-gemer.

Briga

janeiro 13, 2009

Não briguem senhores
não briguem vocês dois
já basta o fim do mundo
já basta, ora pois!
Porque brigar de dia
se fazem as pazes depois
já basta o fim do mundo!

Se for para brigar, que faça
e faça de uma vez só
para não ter desculpa
nem culpa
nem pena

cada fala ou soco
ou bomba ou cena
tarda um pouco mais
um já tardado final.

Adote um Mendigo

janeiro 12, 2009

Eles querem ser tratados

melhor do que animais.

Serenata clara

janeiro 12, 2009

Não é madrugada
a declaração que fiz
não foi cantada
foi clara.
Falei à-vontade
aquela minha vontade
que foi irônica
como ela foi contra
a sua.

Serena, Obscena
nata
minha serenata
te deixou sem graça.
Exagerada e clara
minha serenata.
Tirou a sua paz
como sou capaz?
Apenas sou capaz.
falo à-vontade
da vontade.

Quero o que disse
demais.

Correnteza leve

janeiro 10, 2009

Tem vezes que deus ajuda nós
quando nós vai pra longe nadando
mesmo sem saber nadar direito
ele carrega nós de volta
ele carrega nós pro chão
pra nós poder continuar caminhando.

——–

No fruto do atrevimento tremendo
quis ser mais forte do que as águas salgadas do mar
mostrar que não existe força no mundo pra me conter
e sacana e autenticamente
mesmo eu nadando contra a corrente
o mar me deixou no raso perto da areia.
Não se pode mandar no mar
não se pode mudar o mar…
Não se pode mesmo.

A água puxa o corpo e leva

arrasta sem rumo, pra lá,  o infinito.

(O finito, o homem com medo

o suor do desespero)

lá estão as pedras

lá estão as ondas

lá está o mar

não há areia.

Correnteza leva

o homem é leve

o homem é nada

-não adianta nadar homenzinho!-

A pedra é dura.

O mar empurra.

E o homem não é nada

o homem se rasga em cada pedrada.

Correnteza leva!

O homem não sente o chão

suas ondas são bem mais potentes

do que dois braços e duas pernas

suas ondas são mais recorrentes

do que o ar dentro do pulmão

O homem não escapa a correnteza

O homem não escapa a pedra

O homem não escapa o tapa

O homem morre em vão.

Pesado

janeiro 8, 2009

Não é feito de pedra aquilo que pesa e não levanta, não adianta, não adianta, aquilo que não  sai do chão não levanta.  Não levanta o que esta na terra, o que se esfrega se arranha se rasga, o bizarro e medonho, o sujo, o nojento, o profano, não levanta, não adianta, não se arranca, não há alavanca para aquele que não é apto, o incapaz.

O chão puxa forte, o chão é dos piores, o chão é dos pitorescos, o chão é o fim da linha. Aquilo que não levanta é feito de nada, não é feito de raiva, nem de pele, nem coração. Aquilo que se arrasta no chão é a escória, é a resposta errada para o que não tem solução. Aquilo não serve pra nada, mais frouxo que água, mais nada que nada, tem voz e não fala, não pensa e não trata, não finge não nada, não serve pra nada. Pra nada. Pra nada. Pra nada.

Nada seria sexy
nem haveriam “te amos” tão explícitos
tão pouco flores todo o fim de semana.
Eu saberia que tu me ama
tanto quanto tu saberia de mim.

Nos finais de semana
quem sabe a gente não aluga um filme…
Quem sabe a gente não vai beber um vinho
e se embriagar.
Beber muito mesmo
e ficar e estar bêbado
e sentir e odiar e amar e vomitar.

Durante a semana tudo é incerto
nos veríamos?
Depende do caso.
Em caso de saudade, pode dormir lá me casa.
Eu faço a massagem
a gente fala qualquer bobagem
a gente finge que sabe escrever
e escreve
a gente finge que sabe cantar
e canta
a gente finge
e assim está bom.

Eu seria amigo da sua mãe
seu pai ia me olhar torto
sua tia ia gostar dos meus poemas
e minha tia ia gostar dos teus.

A gente dança,
não sempre
não nunca
mas principalmente não sempre
dois pra lá, dois pra cá
põe a mão aqui
um passo pra lá
requebra
pula
e pronto.

Na cama?
Te garanto boas risadas
algumas pegadas
mordidas, lambidas gozadas
e um mundo de viagens, aventuras e descobertas! (uau!)

Você discorda
eu concordo
você respeita
eu sacaneio
a gente vai assim o dia inteiro
e quem vai arrumar a cama?
Quem vai lavar a louça?
Ihh acabou o pão!
Essa bagunça é boa!
A gente arruma tudo depois
a gente vai levando
e assim está bom
assim está muito bom.

Pássaro Cantante

janeiro 4, 2009

Eu moro em um ninho em um galho alto em uma castanheira
eu gosto de cantar
eu canto todo dia enquanto pouso
eu canto só
eu voo e canto só.

Meu ninho da de cara com um apartamento
e o apartamento de cara com meu ninho
meus vizinhos não deixam meu ninho sozinho
quando saio para passear.

Mesmo não sabendo
os vizinhos sempre expulsam
(com seus barulhos)
os pássaros que tentam ir para a castanheira.
Assim, a castanheira é minha
e o único canto é meu
e o meu canto é único e meu.

Um dia, para minha desgraça
os vizinhos do meu ninho
trouxeram um passarinho cantante
e botaram ele na janela
preso na gaiola
para cantar.
Ele cantou.

Meu canto não chega perto desse canto
meu canto é espanto
meu canto é estranho
meu canto não sabe cantar.

fui dar-me com o Pavaroti
que me ignorou completamente
fingiu estar ausente
e cantarolou
cantarolou uma musica linda.

Desde então não canto mais
só vejo Pavaroti e meus vizinhos
e escuto ele cantando
e amo ele cantando
mas não conto para ninguém
que o Pavaroti canta muito bem.